sábado, 21 de setembro de 2013

Como controlar a ansiedade




Escrito por Mileni Barros
Psicóloga & Coach
Hipnose Terapêutica

Dizem que vivemos a "era dos ansiosos", isto é, a época das pessoas que constantemente sentem algum tipo de ansiedade. Este estado de viver ansioso é consequência dos avanços do homem contemporâneo: tecnologia, trânsito, sociedade capitalista, consumo, metas, produção, velocidade, tempo, e outros. Adquirimos mais conhecimento, nos tornamos mais modernos, mas em contrapartida nos tornamos reféns das nossas conquistas. 

Estudos mostram que oito em cada dez trabalhadores experimentam algum sintoma de ansiedade ao longo da vida. O ansioso está focado no futuro, por isso surgem as preocupações com situações que poderão acontecer.
A ansiedade está geralmente associada a algum outro conflito emocional, sendo muitas vezes a antecessora de um transtorno maior. É a ansiedade disfuncional que muitas vezes causa transtornos alimentares e de humor, fobias, maus relacionamentos, disfunções sexuais, descontrole emocional, entre outros. Controlar a ansiedade é sem dúvida trazer para si o bem estar físico e mental.



Contudo, antes de saber o que realmente precisamos fazer para controlar o estado ansioso, é necessário lembrar que, a ansiedade não é ruim em tudo e senti-la é algo inerente ao ser humano. Por exemplo, ter um nível de ansiedade suportável porque vamos fazer algo novo e inusitado como uma entrevista de emprego, uma avaliação oral, um exame prático, uma viagem programada, férias esperadas, casamento, datas significativas, etc. Sentir ansiedade nos prepara para o "enfrentamento" que iremos passar e lidar. E isso é algo produtivo. Essa ansiedade comum é a expectativa pela situação, isto é, pelo momento que você vai enfrentar. Nela você sente apreensão e em alguns casos um certo nível de medo, mas consegue controlar. A ansiedade patológica é aquela em que a pessoa convive com ela, sem necessariamente estar passando pela expectativa de algo específico. Ou mesmo quando a pessoa vai enfrentar uma situação específica, mas o medo é tão grande que se assemelha a um pânico, fazendo com que a pessoa sinta-se muito atemorizada, ou até mesmo se esquive de viver a situação que lhe cause toda essa sensação ansiógena e insuportável. Exemplo: transtorno de ansiedade generalizada e ansiedade por falar em público. Para que se configure uma psicopatologia, é necessário que a ansiedade traga prejuízos nas demais áreas da vida do indivíduo, como profissional, social, afetiva, ou familiar.

Lembrando que ler esse artigo apenas, não substituirá a necessidade de ajuda profissional em caso de necessidade. Entretanto, se você for disciplinado e determinado, muito lhe contribuirá.

Então, como fazer?

1º IDENTIFIQUE O QUE CAUSA ANSIEDADE
Você sente ansiedade por quê? Em quais situações? Em que tipos de grupos envolvidos? Reflita sobre todas as situações que causam ansiedade, pois será através dessa análise que você descobrirá a origem dela, ou seja, o que a desencadeia, o que a ativa em sua mente.

2º IDENTIFIQUE OS PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS QUE PRECEDEM À ANSIEDADE
Depois de identificar todas as situações causadoras de ansiedade, é importante identificar este 2º "passo-chave", e talvez o mais importante para controlar a ansiedade: os pensamentos automáticos e negativos, isto é, os pensamentos disfuncionais.
De preferência, faça uma lista deles e vá acrescentado outros, caso vivencie algum, ou, se lembre depois.
Exemplo: 

(Clique na imagem para ampliá-la).

3º CORRIJA OS PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS IDENTIFICADOS ANTERIORMENTE
Para cada pensamento automático e negativo que você tem a respeito de si, ou de situações, você deve contrapor com pensamentos REAIS e positivos. Se possível, também faça uma lista.

Exemplo:
Pensamento automático-negativo: "Acho que vão todos me criticar"
Pensamento corrigido: "Muitos irão me admirar, pois eu vou me empenhar nisso. E ainda que alguns critiquem, é normal, pois dificilmente se agrada a todo mundo. Posso lidar bem com isso".

4º CONFRONTE A ANSIEDADE NA PRÁTICA
Algumas pessoas podem considerar esta uma etapa difícil, porém, gostaria de lembrar que é possível desempenhar com persistência. Este é o momento de colocar em prática o passo 3. Permita-se enfrentar as situações que causam ansiedade, enfrentado-as  com os pensamentos corrigidos.

Muitas vezes o indivíduo com sintomas de ansiedade acha que não vai conseguir, pois ele só enxerga à sua frente a dificuldade que julga possuir. Mas ainda assim, mesmo temeroso, mesmo entre acertos e falhas, você deve permanecer no seu propósito de equilibrar a ansiedade, ainda que você sinta como se não fosse conseguir. CONTINUE, VOCÊ VAI CONSEGUIR!

O mesmo serve para quem vive uma ansiedade proveniente de preocupações com o trabalho. Liste seus pensamentos disfuncionais, corrija-os e procure adaptar-se a esse novo olhar sobre o que te preocupa.

5º MUDE A SUA MANEIRA DE ENCARAR A SITUAÇÃO
Existem várias maneiras de se interpretar a mesma situação. Por isso reagimos de maneiras tão diferentes uns dos outros. Se a sua maneira, está causando mal estar, desconforto e problemas, é hora de mudar sua ótica. Os pensamentos devem ser os primeiros a serem modificados.

6º FAÇA UMA ATIVIDADE FÍSICA
Caminhada, dançar, andar de bicicleta, musculação, natação, tênis, etc. Quando nos exercitamos estamos estimulando nosso cérebro, que libera neurotransmissores relacionados a sensação de bem estar: serotonina, dopamina. Portanto, exercite-se!

7º TENHA MOMENTOS DE LAZER
O grande desafio da maioria das pessoas que estão sempre cansadas de suas rotinas desgastantes, é que nos momentos livres querem apenas descansar. Entretanto, descanso é diferente de lazer. Nossa mente precisa de algum momento de diversão saudável. Procure fazer parte de encontros com amigos, idas a clubes de lazer, piscina, brincar com filhos, passear e tudo aquilo que lhe proporcionar bem estar. Faça algo que produza diversão.

8º TENHA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
É importante acreditar na interação mente-corpo.  Alimentos podem ajudar a diminuir os sintomas da depressão, ansiedade e estimular a memória. Por isso, é necessário buscar uma alimentação equilibrada e balanceada.

9º PSICOTERAPIA E MEDICAÇÃO
Não está conseguindo sozinho? Procure ajuda profissional e se permita superar os sintomas através da psicoterapia. Caso a ansiedade chegue a um nível mais grave com prejuízo no desempenho diário, procure também a orientação de um médico psiquiatra que indicará a medicação apropriada para o caso.

Recomendamos o uso de medicação associado com a intervenção psicoterapêutica. Estudos comprovam que a associação dos dois métodos garantem melhores resultados e em tempo mais hábil.

10º Viva o tempo PRESENTE e CUIDE-SE!!!


Mileni Barros
Psicóloga



Nenhum comentário:

Postar um comentário