segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Sorrir gera felicidade

Olá pessoas lindasss!!! Como vão?

Bem, eu gosto de deixar aqui alguns estudos ou pesquisas que leio, não só para trazer conhecimento, mas também para que isso passe a ser um diferencial na vida de todos nós. Por isso, hoje eu compartilho com vocês o resumo de um estudo que li, simples e interessante ao mesmo tempo.

Vamos propagar o sorriso!!! Conviver com alguém que constantemente está de cara fechada e rosto carrancudo, rsrs, não é nada agradável. Além de transmitir uma expressão feia, ninguém gosta.

Por um mundo com mais sorrisos contagiantes!
 ;-D 
Abraço, 
Mileni.
Um sorriso genuíno no rosto dos outros é um sinal inconfundível de bem-estar e felicidade. Isto porque felicidade e sorriso começam no cérebro, no mesmo lugar.

Colocar um sorriso no rosto pode ser o suficiente para que comecemos a nos sentir bem. O truque funciona mesmo se você instruir uma pessoa a montar um sorriso, músculo a músculo. Quanto mais a pessoa aprende a dominar o músculo orbicular dos olhos, aquele que circunda as pálpebras e dá as ruguinhas, mais seu corpo começa a se preparar para a felicidade, proporcionando-lhes em bem-estar que eles não sabem explicar. A neurociência explica: um trabalho recente mostrou que o sorriso genuíno já basta para ativar o córtex da ínsula, região do cérebro que nos dá sensações subjetivas como a do bem-estar.

Mas não para por aqui. Um sorriso genuíno é contagiante e espalha a felicidade ao nosso redor. Através de neurônios-espelhos, que nos fazem repetir automaticamente ações ao nosso redor, ver um sorriso no rosto de quem fala com você aciona as mesmas áreas do cérebro responsáveis pelo seu próprio sorriso.

Portanto, felicidade gera felicidade: ela passa de um cérebro para o próximo através do sorriso. Por isso o bem-estar do outro é contagiante; por isso nos sentimos melhor perto de pessoas sorridentes.


Suzana Herculano-Houzel
Neurocientista
Mente e Cérebro - Abril/2013

2 comentários:

  1. Você concorda com o ditado: ''Sorrir é o melhor remédio''? E o que acha das pessoas que sorriem para não demonstrar que está triste, ou passando por um momento difícil? Olhando para o lado da psicologia, é melhor sorrir, mesmo que forçado ou é mais apropriado procurar uma ajuda?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!!! Em primeiro lugar gostaria de agradecer sua pergunta, pois é uma forma de eu esclarecer quaisquer dúvidas que venham a surgir no assunto postado. Além do mais, suas dúvidas podem também ser iguais a de outros leitores.
      Inicialmente, gostaria de deixar claro que esse estudo que publiquei “Sorrir gera felicidade” é uma pesquisa abrangente sobre o ato de sorrir do ser humano e as influências que ele proporciona nos outros. Ou seja, esse estudo fala de pessoas que estão no seu dia a dia trabalhando, estudando, encontrando com outras pessoas a todo instante e em qualquer lugar... Ele se refere às pessoas com vida ativa, que estão exercendo suas atividades naturais e não às pessoas que estão debilitadas e sofrendo de algum transtorno específico (o que não quer dizer que estas não poderão sorrir ou não sentir a sensação de bem-estar proveniente do sorriso dos outros). Existe sim uma área no cérebro capaz de trazer a sensação de alegria com o simples gesto de sorrir, mas isso não quer dizer que todos conseguirão ter (ou manter) essa sensação caso estejam passando por alguma alteração neuroquímica. Ok?
      Esclarecida essa primeira parte, vamos às suas perguntas:
      Sorrir é sim um bom remédio, mas NÃO O ÚNICO. O ato de sorrir não deve substituir o uso de alguma medicação que se faça necessária na rotina de uma pessoa. Agora, associar o sorriso e o bom humor a qualquer tratamento de saúde, seja ele físico ou emocional, com certeza faria bem a qualquer pessoa e potenciaria um bom prognóstico.
      Não vejo problema algum com pessoas que sorriem para não demonstrarem que estão passando por um momento difícil. Se a pessoa consegue esconder (pois uma boa parte não costuma conseguir) sua tristeza, ou não, é uma escolha dela. Não é por que a gente está triste também que vamos sair por aí fazendo cara de “defunto” e falando para todo mundo o que estamos passando. Isso vai muito das características de personalidade de cada um. A forma de pensar decide o que vamos demonstrar para os outros ou não quando conseguimos exercer o controle sobre nossas reações.
      Quanto a essa sua 3ª pergunta, gostaria de esclarecer que não está sendo sugerida na pesquisa do post, sorrir ao invés de procurar ajuda. Sorrir não é tratamento e nem medicação. Uma pessoa com depressão, ou fobia, ou TOC, por exemplo, não vai conseguir tratar esses problemas apenas com sorrisos. É óbvio que é necessário procurar ajuda médica/psiquiátrica e psicológica. Agora, isso não as impede de sorrir e ver o lado bom da vida!

      Espero ter esclarecido bem.
      Abração!

      Excluir