terça-feira, 8 de outubro de 2013

Como se apresentar durante uma entrevista




Já comentei aqui no Divã (leia aqui) que  trabalho com Avaliação Psicológica para motoristas e também para outros fins, dependendo do objetivo do procedimento: se é para seleção de pessoal em empresas, se é para laudo médico, ou outras solicitações. Sendo que, uma das etapas da Avaliação Psicológica é a entrevista, sendo este o assunto alvo de nosso Divã hoje.

As dicas que aqui darei servirão para entrevistas de emprego com o Setor de RH, ou chefe de departamento, também servirão para entrevistas de concursos e avaliações psicológicas. Procurarei dar dicas abrangentes que sirvam para tipos de entrevistas variadas.

É possível notar que as pessoas ficam muito ansiosas quando vão se apresentar em alguma entrevista. Geralmente elas não sabem o que fazer com as mãos, nem para onde devem olhar, por exemplo. Apesar da situação, é preciso buscar recursos internos para se acalmar, afinal, todos os que a ela se submetem anseiam por um bom desempenho.

Então, vamos ao que interessa:

1- Procure entender a entrevista como uma "conversa focada", ou seja, como uma "conversa" pontuada por um profissional. Não me refiro a uma conversa em que você vai bater papo com alguém sobre o que lhe vier à mente, pois o assunto será o objetivo para o qual se designa a entrevista. Prefiro orientar essa associação, pois muitas pessoas quando entendem a entrevista desta forma (como uma conversa), sentem-se mais aliviadas, pois todo mundo sabe conversar. Então, relaxe. Você vai "conversar" sobre aquilo que te perguntarem e te pedirem pra falar. ok?

2- Procure manter-se atento e concentrado.

3- Não sente-se como quem está no sofá de sua casa, de forma despojada e folgada. Sua postura deve ser ereta e cordial.

4- Vista-se de maneira adequada. Por incrível que pareça, mesmo com tantas orientações que os meios de informação fornecem sobre o que vestir, principalmente para entrevistas de emprego, as pessoas não levam em conta esse "pequeno-grande" detalhe. Vestir-se de maneira adequada, não é ir "chique" com uma roupa além do que pede a situação, é ser básico e sem extravagâncias. Evite roupas curtas, sensuais, decotadas ou muito apertadas. Evite deixar partes do corpo à mostra. Homens também devem tomar cuidado. Alguns profissionais não gostam de atender pessoas que se apresentam de boné, pedindo-os para retirarem o acessório. Particularmente, eu não me importo com isso,  mas concordo que se tratando de uma entrevista de emprego formal, não é muito favorável você se apresentar de boné. Por favor, não é preciso comprar roupas novas, vá com a mais adequada que tiver em casa. Caso não tenha nenhuma, pegue emprestado. Se você estiver com alguma roupa de uniforme e não teve tempo de ir em casa trocar, talvez seja de bom tom fazer essa ressalva. Lembre-se, a sua maneira de se vestir mostra seu esmero e cuidado para consigo mesmo, mostra também seu nível de bom senso. A roupa compõe a interpretação não verbal da entrevista.

5- Olhe para o rosto do entrevistador. Muitas pessoas têm dificuldades em olhar nos olhos, e um bom avaliador vai perceber isso sem considerar esse fator um problema. Entretanto, evite responder de cabeça baixa, ou olhando para os lados. Isso evita que você se disperse, além de demonstrar mais firmeza de sua parte.

6- Evite ficar "batendo" as pernas. Também não coloque a mão na boca, como se a estivesse tampando. Aliás, evite mexer demasiadamente e desnecessariamente com as mãos. Isso só demonstra grau elevado de ansiedade.

7- Se o entrevistador pede a você: "Fale-me sobre sua família", então fale o que lhe foi solicitado. Note que o assunto é aberto. Ele não perguntou nada de específico sobre sua família, pedindo apenas que você fale sobre ela de maneira geral. Portanto, comece por onde quiser falar a respeito dela. Quando eu faço essa pergunta aos entrevistados, eles ficam mudos, como se não soubessem falar, ou simplesmente devolvem a pergunta: "o que você quer saber sobre minha família?". Se o entrevistador quiser saber alguma coisa específica, ele vai perguntar. É simples, comece falando sobre com quem mora, o que fazem, como se relacionam... Se durante seu discurso ele considerar que você deve explicar algo de maneira mais clara, o entrevistador vai sinalizar isso, não se preocupe. Evite dizer algo do tipo "não tenho o que dizer sobre minha família", ou, "somos uma família normal". Como assim não sabe o que dizer sobre as pessoas com quem convive? O que é normal pra você? Entenda que respostas assim dão margem à dúvida e a entrevista fica "emperrada", parece que não flui com naturalidade. Natural é o entrevistador te pedir, "fale sobre algo" e você falar. Tão somente assim.

8- Evite responder "não sei" e se dar por satisfeito com essa resposta. Você até pode dizer, "eu ainda não pensei sobre isso, mas..." (desenvolva algo a respeito na hora). Mostre que você procurou encontrar alguma resposta coerente e equivalente ao que lhe foi questionado.

9- Evite desviar-se do assunto, a não ser que o entrevistador dê margem para isso. Se a postura dele é de quem tem maior tempo para ouvi-lo, e se ele interage com você de forma semelhante a uma conversa, talvez você possa se alongar. Caso contrário, tome cuidado. Por exemplo:
- Sr. Fulano, o senhor já sofreu algum acidente de trabalho?
- Não. Eu não. Mas tenho um vizinho que certa vez aconteceu... blá-blá-blá com ele... O homem ficou internado, perdeu "não sei o que"... (e por aí vai).
Entenda que o interesse do entrevistador é em você. Evite contar histórias que não te dizem respeito.

10- Em contrapartida, cuidado para não ser sucinto demais.
- Sr. Fulano, o senhor já sofreu algum acidente?
- Já.
Cabem mais informações na sua resposta, não acha? Então, colabore.

11- Não se intimide com a postura do entrevistador. É só uma postura dentre várias. Pode ser o jeito dele, ou não. A postura que importa nesse momento é a do entrevistado. Lembre-se que esse é um tipo de trabalho que o entrevistador faz com frequência e, portanto, ele atende vários tipos de pessoas e ouve várias respostas. Pouca coisa deve surpreender o profissional experiente, salvo raras exceções. Não espere também que ele "coloque um tapete vermelho" pra você passar e pergunte se você quer um "suquinho". Cito esta hipérbole como referência àqueles que esperam muita atenção e carinho por parte do entrevistador. Vá esperando apenas educação da parte dele. No caso de entrevistas psicoterapêuticas, os psicólogos se  preocupam mais com o rapport, com a empatia e a  transferência, mas nem sempre isso acontece nas entrevistas empresariais ou com outras abordagens (depende da situação).

12- Respeite o profissional. Procure não desafiá-lo, pois isso só traria antipatia dele por você. Geralmente os profissionais são neutros e imparciais, todavia não tem nada pior do que atender alguém que conquistou nossa antipatia, não acha?

13- Evite mentir. Um profissional experiente sabe quando o entrevistado está mentindo. E você é o maior prejudicado com sua mentira por algumas razões. Primeiro: a verdade pode vir à tona depois. Segundo: o entrevistador pode te questionar repetidas vezes sobre a sua mentira, de forma que você se contrarie em suas respostas, trazendo a você um nível elevado de ansiedade, o qual é percebida por ele. As pessoas demonstram reação alterada quando pressionadas, mesmo que sutilmente.  Dificilmente um entrevistador vai teimar com você e dar "chiliques" do tipo "você está mentindo para mim". Ele não discute, e simplesmente pode não fornecer um resultado favorável por causa da sua mentira, o que ele registrará como resposta ambígua, ou desconforto ao falar da "área tal", ou discurso contraditório a respeito de (...), etc.

14- Não faça piadas. Não seja inconveniente. Se for uma entrevistadora mulher não a corteje dentro do local de trabalho dela. Não tente levar presentes sem nem ao menos conhecer o profissional. Existe uma diferença entre mandar um presente para alguém que te atendeu bem e você se sente grato por isso, tendo recebido ANTES o seu resultado final da entrevista, e entre entregar um presente antes de o profissional te atender e sem você saber qual vai ser o resultado da sua entrevista. No segundo caso, fica parecendo que você está propondo uma "troca" de gentilezas e/ou "favores". Bons profissionais não se submetem a tal ato. Não sujeite-se você também.

15- Procure ser simpático. Um sorriso agradável entre uma resposta e outra agrega valor pessoal a sua entrevista.

Creio que esses são os itens que eu considero essenciais. Se você se submeteu recentemente a alguma entrevista e cometeu alguma pequena falha, não se preocupe. O que conta é o conjunto de sua postura e respostas como um todo, e não uma timidez isolada, por exemplo, ou suas mãos inquietas.

Seguindo essas simples dicas, tenho certeza que todos os que forem entrevistados em qualquer situação se sairão muito bem.


Mileni Barros.



(Experiências vividas, ou dúvidas, deixem seus comentários e compartilhem aqui no Divã).



Nenhum comentário:

Postar um comentário