sábado, 26 de outubro de 2013

Tem dias que a gente olha pra si...

Olá amores! Como estão?

Vocês já repararam como a música pode nos trazer momentos ímpares de autorreflexão? Palavras que muitas vezes não conseguimos expressar sozinhos são ditas naquele exato momento em que ouvimos alguma canção que nos faz pensar: "é exatamente isso o que estou sentindo", ou, "como eu não havia pensado nisso antes?"

Hoje nós vamos refletir um pouquinho sobre a letra de uma música, que desde que ela foi gravada gosto de usá-la para pensar sobre a minha vida e me encontrar em meio a planos e objetivos imaginados e atingidos. Às vezes eu também uso alguns recursos terapêuticos nas sessões de psicoterapia para poder trabalhar alguma questão eminente na vida do paciente. Sendo a música um tipo desse recurso do qual falo.

Espero que essa letra também lhe traga reflexão e as respostas necessárias para promover a mudança e o aprimoramento em seu interior.




Trecho da música:

"Sei lá
Tem dias que a gente olha pra si
E se pergunta se é mesmo isso aí
Que a gente achou que ia ser
Quando a gente crescer
E nossa história de repente ficou
Alguma coisa que alguém inventou
A gente não se reconhece ali
No oposto de um déjà vu

Sei lá
Tem tanta coisa que a gente não diz
E se pergunta se anda feliz
Com o rumo que a vida tomou
No trabalho e no amor
Se a gente é dono do próprio nariz
Ou o espelho é que se transformou
A gente não se reconhece ali
No oposto de um vis a vis (...)".

Sugestão de Análise:

Essa música gravada pelo Lulu Santos, nos convida a viajar pelo nosso passado (remoto ou recente) e retomar ao momento em que vivemos. De uma maneira simples, ela nos faz pensar se nossos sonhos estão sendo realizados, se nossos objetivos estão sendo atingidos, ou se alguma coisa mudou durante o percurso.

Você é hoje o que você quando criança achava que ia ser? Não pense nisso apenas pelo lado da profissão, mas pense em você como pessoa com ideais. Pense nos seus valores, no seu EU, pense nas suas emoções e em realizações realmente significativas.
Alguma coisa saiu melhor do que o imaginado? Ou saiu pior? O que falhou? O que faltou?

Você se reconhece nas suas projeções da infância, ou adolescência? Ou sua vida parece uma história que alguém inventou?

Saiu tudo completamente diferente, como no oposto de um déjà vu ou de um vis à vis (face a face)?

Você anda feliz com o rumo que sua vida tomou? Se não, por quê? O que falta?
Você se sente dono do próprio nariz, se sente vítima, ou autor da sua história? Você é o mesmo, ou o "espelho" é que se transformou?

Como resposta, você pode considerar que sua história está sendo bem melhor do que um dia você imaginou. Ou pode achar que algumas coisas saíram exatamente conforme o planejado, outras diferentes, contudo está satisfeito com o que tem vivido.

Se você consegue tirar um balanço positivo de sua história, mostra que grande parte dos seus ideais foram, ou estão sendo, alcançados. Não importa o que aconteceu no caminho, importa é o que você fará disso daqui pra frente.

Mas se você acha que não, que você não atingiu ainda a maioria dos seus planos e objetivos, não esqueça de que o presente e o futuro estão à sua frente. É tempo de resgatar o que ficou perdido, ou,  é também tempo de esquecer o que perdido foi e buscar o novo. É tempo de renovação, é tempo de não perder as boas chances, é tempo de enxergar as oportunidades que estão diante de nós; é tempo de criá-las! Lembre-se de que é VOCÊ quem escreve sua história. E que sempre existe uma escolha, sempre!

Abração, 

Mileni.



Nenhum comentário:

Postar um comentário