domingo, 26 de janeiro de 2014

Escrever acelera a cura





Vários estudos já mostraram que escrever sobre os próprios sentimentos e expectativas pode ajudar a superar dores psíquicas e a melhorar o humor. Agora, pesquisadores da Nova Zelândia sugerem que a escrita acelera a recuperação de lesões. A equipe coordenada pela cientista Elizabeth Broadbent, da Universidade de Auckland, acompanhou 50 voluntários com idades entre 64 e 97 anos, que escreveram sobre problemas pessoais durante 20 minutos por três dias consecutivos.

Duas semanas depois, cada um foi submetido a uma biópsia que extraiu um minúsculo pedaço de pele de um braço. Nas semanas seguintes, os pesquisadores fotografaram a lesão no braço dos participantes todos os dias, para comparar o processo de cicatrização: 76% dos pacientes que escreveram já estavam completamente recuperados no décimo primeiro dia. E só 42% do grupo de controle (que não escreveu) teve benefícios. Segundo Elizabeth, que publicou os resultados no Psychosomatic Medicine, a possibilidade de se expressar alivia o estresse associado aos sofrimentos psíquicos. A redução do estresse se reflete na diminuição das concentrações de cortisol, o “hormônio do estresse”, que em altas quantidades sobrecarrega o sistema imunológico.

Revista Mente e Cérebro
Dezembro/13
Nota da edição.


Comentários da autora do Blog: A escrita pode ser associada a um mecanismo de cura, pois como diz a pesquisa ela é um tipo de expressão. Através do ato de escrever sobre o que pensa e como se sente, o indivíduo reduz o estresse causado pelo sofrimento psíquico. Lembrando que a expressão VERBAL também produz esse mesmo alívio, uma vez que a destinamos a alguém que nos compreenda, nos acolha e nos ofereça "falas terapêuticas", que são as chamadas "pontuações" que o interlocutor nos transmite servindo para o despertar de um novo entendimento.  Por isso a psicoterapia cura e/ou alivia os sofrimentos emocionais. (Mileni Barros)





Nenhum comentário:

Postar um comentário