quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Não morra de inveja




Escrito por Mileni Barros
Psicóloga & Coach
Hipnoterapeuta

A maioria das pessoas não admite sentir inveja. Talvez a inveja seja um dos sentimentos com conotação mais negativa. As pessoas assumem sentir raiva, tristeza, ódio, até desejo de matar alguém, mas jamais admitem sentir inveja. Culturalmente, a inveja tem um sentido sujo, feio e inferior, por isso as pessoas não assumem tê-la. No máximo dizem ter a tal da "inveja branca", que é quando alguém quer dizer que queria estar no lugar do outro, mas não desejando o seu mal.

Todo mundo em algum momento da vida já sentiu vontade de estar no lugar de alguém  ou de conquistar algo que já foi  conquistado por outra pessoa. Entretanto, sentir inveja é se incomodar com o sucesso do outro. É NÃO querer que o outro tenha ou que seja "mais" do que a gente. Sentir algum nível de inveja é  considerado humano, mas quando passamos a nos incomodar constantemente com o sucesso e a conquista do outro, essa inveja tem um grau negativo e destrutivo.

Explicando esse sentimento:


A inveja provém de um sentimento de incapacidade de não ter aquilo que o outro tem e é gerada pela comparação que fazemos da gente com os outros. Muitas vezes o invejoso não deseja o mal daquele a quem ele inveja, mas simplesmente não quer que o outro tenha mais do que ele, seja em virtudes, conquistas, ou em bens adquiridos. O invejoso não quer se sentir ainda mais inferior, por isso não deseja que o outro "cresça" e evolua na vida . A inveja é um sentimento primitivo e depende de nós sabermos elaborá-la para que a mesma não tome proporções destrutivas em nossa mente.

Níveis de inveja:

1- Tem aquele nível de inveja em que a pessoa se incomoda com algo no outro, sente-se incapaz e inferior em relação àquela situação, mas nada faz.  O sujeito não faz mal ao outro, não desdenha verbalmente, não critica, não tenta ser igual. Ele abstrai mais rapidamente, porque sente o incômodo proveniente daquilo que ele julga ser incapaz de ter, mas compensa com outros pensamentos de coisas que ele possui e os outros não possuem. Esse é o tipo de ELABORAÇÃO saudável da inveja.

2- Tem o invejoso competitivo. É quando ele descobre que a pessoa conquistou algo e, por isso, se desdobra para tentar ter igual, ou melhor. O problema do invejoso é que ele não pode se sentir por baixo. Uma coisa é conquistar algo por que você já está planejando e trabalhando para possuir e realizar esse objetivo. Outra coisa, é a pessoa querer ter algo porque alguém tem e para não se sentir inferior. A competição pode incluir coisas pequenas e pouco valiosas. Ambas retratam algum grau de inveja.

3- O invejoso crítico. Observe o seguinte exemplo: um homem pretende comprar o carro "X", mas seu "amigo" põe defeitos no carro. Exemplo: "é carro de mulher"; "esse carro gasta muito"; "a suspensão não é boa"; "ele capota fácil", entre outros argumentos negativos. (Vale lembrar que se o amigo é mecânico, ou tem muita experiência no assunto, realmente ele deve saber do que está falando). O invejoso crítico é aquele que põe defeito em tudo o que você pretende conquistar. Ele critica suas futuras acepções e metas, coloca defeito nelas, mas não oferece uma ideia melhor. Um amigo verdadeiro, ou aquele colega de boas intenções, pode até alertar quanto a algo que não seja uma ideia tão boa pra você, mas ele irá propor outras alternativas ainda melhores.

4- O invejoso caluniador. Esse invejoso não consegue competir, já percebeu que não adianta colocar defeitos, ou ele não quer criticar para não dar "bandeira", então, ele começa a caluniar o invejado para o círculo social em que vivem.  Às vezes uma das coisas em que a pessoa tem de melhor perante a sociedade é uma boa imagem e reputação, então, o invejoso começa a difamá-lo. Não importa se o que ele vai caluniar é algo de proporções grandes ou pequenas, a verdade é que quando ele calunia o outro, ele o está diminuindo e "se valorizando", seja consciente, ou inconscientemente,

5- O invejoso maléfico. É o nível mais elevado de inveja. Ele passa por cima de valores éticos-morais e infringe as leis,  para ter o que o outro tem, ou estar na posição social de alguém. Esse tipo de inveja leva o indivíduo a perder o escrúpulo para alcançar o "sucesso" aclamado, ou simplesmente derrotar alguém. Tudo em prol da "não inferioridade".

ATENÇÃO: Muito cuidado ao rotular as pessoas que convivem com você como invejosas. Você deve ser perspicaz para desenvolver uma percepção da análise da motivação do outro. Quantas vezes seu amigo (ou colega de convívio diário) desmotiva você nos seus objetivos? Ele tem razão? É algo que acontece corriqueiramente? Ele te oferece ideias melhores que as suas? Ele te apoia? Ele demonstra uma alegria genuína sobre suas aquisições e conquistas pessoais? Ele demonstra interesse o suficiente para te ajudar a ir mais longe? O histórico dele é favorável ao conceito de invejoso, ou não? Você deve observar a mensagem de vida que o seu amigo, ou colega de convívio diário, transmite. E isso não advém  apenas da inteligência racional, mas de perspicácia e prudência.

A falha que alguns invejosos cometem é subestimar a capacidade dos que convivem com ele de perceberem a manifestação do sentimento de inveja alheio, mesmo que sutilmente. Seja na fala, no olhar, ou na expressão corporal.

Inveja mata?

Todos nós já ouvimos isto de que a inveja mata. É claro que ninguém que esteja sentindo inveja sofrerá um infarto fulminante e morrerá em decorrência do referido sentimento. Entretanto, a inveja mata todos os dias um pouquinho, toda vez que a pessoa se sente incapaz, inferior e infeliz em relação à alguma situação ou a alguém. A inveja constante deprecia a imagem que a pessoa tem de si mesma, causando uma baixa autoestima. Ela corrói a raiz dos bons sentimentos e aniquila a essência do ser.

O invejado pode sair prejudicado por causa da inveja que alguém tem dele?

Pense o seguinte: alguém que está sob "efeito" do sentimento de inveja consegue dar realmente bons conselhos? Imagine-se ficar recebendo opiniões de quem no fundo não deseja o seu progresso. Se o invejoso não quer que saiamos do lugar e nos dá sugestões para tal, chegamos à óbvia conclusão de que sim, o invejado pode se prejudicar por causa da inveja que alguém nutre em relação a ele.

Existe quem não tem inveja alguma?

Existe aquele que não cultiva, ou seja, não alimenta a inveja em sua mente. É a pessoa do tipo de inveja especificado no item 1. Porém, algumas pessoas são tão satisfeitas consigo mesmas, trazem dentro de si um apreço tão grande por sua atual condição, que realmente nesses casos, a inveja não é um sentimento presente.

Uma vez invejoso, sempre invejoso?

Como todo sentimento, a inveja não é algo permanente, se a pessoa desejar cultivar bons pensamentos. É importante compreender que aquele que mais sofre com a inveja é quem a sente. Todos nós podemos mudar nossa atual condição mental e emocional se assim desejarmos. Através da mudança de pensamentos e sentimentos, nós transformamos nossa maneira de perceber as pessoas, o mundo e a nós mesmos.

A inveja deve ser elaborada ainda no início. Ela deve ser cortada pela raiz, naquele exato momento em que a pessoa sentir a "pontada" de inferioridade. Brilho pessoal, talentos da alma, dons natos, refletem a luz interior de cada um. Todos nós temos a nossa própria luz e a nossa beleza, seja em que área for. Então, invista nela e acenda o brilho que existe dentro de você.

O que fazer se eu vier a sentir inveja de alguém? Como elaborar essa sensação?
Primeiro você deve ser muito sincero consigo mesmo. Admitir que estamos com inveja geralmente nos incomoda, porque estamos afirmando para nosso ego a nossa percepção (muitas vezes errônea) de incapacidade, e estamos ao mesmo tempo dizendo para nós mesmos: "eu sou uma pessoa deprimente, pois estou sentindo inveja de algo que é bom no outro". Apesar disso, procure admitir isso para si mesmo. Identificada o que aqui chamo de "pontada da inveja", que é justamente essa primeira sensação de sentimento de inferioridade e de incapacidade, comece a corrigir sua maneira de pensar lembrando de todas as suas qualidades, virtudes, talentos, conquistas, do estilo de vida diferente que você tem, das coisas que prioriza no momento, entre outras. Busque em seus arquivos neurais todas as suas memórias de sucesso pessoal. Quer melhorar, quer conquistar mais objetivos? Analise sua motivação. É o seu momento para isso. Se você quer alcançar ideais porque acredita que é merecedor, então, trace suas metas, estabeleça um plano de ação e procure melhorar suas falhas e mudar atitudes autossabotadoras.

Agora, a melhor e mais importante de todas as dicas, talvez a mais libertadora, para todas as pessoas que não querem ser aprisionadas com a inveja: deseje o bem para as pessoas, deseje com força que elas tenham mais, que elas brilhem mais, alegre-se genuinamente com a vitória e a conquista dos outros. Alegre-se muito! Deseje o bem para todas as pessoas que conhece, inclusive para aqueles que alcançam mais alvos do que você. Aquilo que irradiamos de dentro da gente, volta para nós. O sucesso que você deseja para os outros você atrai para si como ímã. 


Mileni Barros
Psicóloga & Coach

"O ânimo sereno é a vida do corpo, mas a inveja é a podridão dos ossos".
Provérbio de Salomão / Séc. X a.C.

Confira também esse quadro e informação abaixo:







Mas e aí, pessoal, me contem: o que vocês costumam fazer quando percebem que alguém está com inveja de vocês? Hein?
 



2 comentários:

  1. Muito bom, minha amiga Drª Mileni.
    Mais uma vez parabéns pela excelente maneira de abordar um assunto tão simples e muitas vezes considerado por nós como banal e sem importância. É extremamente útil orientarmos as pessoas às situações do dia-a-dia.

    No meu caso, eu costumo evitar invejosos. Se eu saquei que tem inveja de alguma coisa minha, não compartilho e evito.

    Abraço.
    Rodrigo Limeira

    ResponderExcluir
  2. Olá meu querido, Rodrigo! Que bom receber sua visita aqui no Divã! ;-)
    Obrigada pelo comentário! Com certeza, assuntos como esse passam desapercebidos, mas têm sua cota de relevância.

    A maioria das pessoas costuma evitar aqueles que constantemente manifestam alguma inveja. Talvez seja a melhor forma, ou a menos indelicada.

    Muuito obrigada pelo seu apoio. Sempre que vejo visitas do Canadá, já sei que é você! hehehee

    Abração!!!

    ResponderExcluir