sábado, 31 de maio de 2014

Exercício físico para a saúde do cérebro




Antigamente, o exercício físico era recomendado apenas para manter o coração saudável, o colesterol baixo e a pressão arterial sob controle. Hoje em dia, ele é indicado também para manter a saúde do cérebro: dá motivação, promove a socialização, combate os efeitos nocivos do estresse crônico, a depressão, a ansiedade, melhora a memória e o aprendizado, e ainda faz o cérebro produzir substâncias que mantêm os neurônios saudáveis e mais resistentes a danos.

A prática de atividades físicas começa a trazer benefícios já com uns 20 minutos de suor, quando o corpo começa a produzir o hormônio cortisol como reforço à disponibilização de energia para os músculos. Além de imitar o que o sistema simpático já estava fazendo, aumentando a frequência cardíaca e o fluxo de sangue para os músculos, é o cortisol que faz com que as reservas de energia na forma de gordura comecem a ser utilizadas. Ou seja: só se começa a queimar gordura com uns 20 minutos de exercício. Por isso 10 minutinhos de cada vez não adiantam – nem aquela caminhadinha leve.


sexta-feira, 30 de maio de 2014

"Seu pai não liga pra você..."




Escrito por Mileni Barros
Psicóloga
Coach / Hipnose Terapêutica

Você já ouviu estas frases? "Seu pai (sua mãe) não liga pra você...", "seu pai (sua mãe) é sem juízo...", "ele(a) não vale nada..."; "seu pai nos deixou desamparados, ele é um egoísta, imaturo..."; "seu pai (mãe) está sempre ocupado, ele nunca pode ficar com você...".
Seu pai é "isso", sua mãe é "aquilo", e o filho no meio desse cenário de acusações e hostilidade. Sabe o nome que se dá a esse mecanismo psicológico sofrido pela criança? ALIENAÇÃO PARENTAL.

Alienação Parental é quando um dos genitores tenta afastar o filho do outro genitor. Isso acontece através de acusações e difamações que descaracterizam a imagem do genitor acusado e sua importância na vida da criança. O genitor alienante ao diminuir perante o filho a visão que ele tem de seu próprio pai (ou mãe) afasta esse filho do outro genitor e conquista para si um "aliado". Esse afastamento não se dá apenas por via verbal e afetiva, mas também por atos, ou seja, muitas vezes o "pai alienante" não permite que a criança esteja em ocasiões variadas com o "pai alienado", e passa a controlar e coibir a relação do filho com ele (pai ou mãe).

terça-feira, 13 de maio de 2014

Dez dicas para superar a timidez




Escrito por Mileni Barros
Psicóloga & Coach
Hipnose Terapêutica


1- Quando falamos em timidez, é necessário entender primeiramente que não há problema em ser tímido. Não veja a timidez como um defeito. Veja-a como uma característica, um traço de personalidade. Entretanto, como todo traço característico que expressamos, podemos melhorá-lo. Não é por que você apresenta um perfil de timidez hoje, que você precisa ser tímido sempre. O objetivo é andar para frente e ser melhor. (Recomendo que leia esse texto aqui: Você precisa romper). Ser tímido não é ser pior, nem o "sem-assunto". Assim como ser extrovertido não é o mesmo que ser melhor e nem o "tagarela". Todos temos nossas peculiaridades.

2-  Em contrapartida, também é verdade que os tímidos podem perder boas oportunidades por serem calados demais, ou por não conseguirem se expressar como deveriam. É onde identificamos a necessidade de mudança. Então, mãos à obra? Coloca uma plaquinha aí na sua mente: "reforma interior".

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Vídeo: Mulheres Independentes





Olá pessoal, como vocês estão?

Ultimamente tenho recebido muitas opiniões e perguntas dos nossos leitores a respeito de dois temas específicos.

Aqui no Divã os comentários giram em torno de fases, ou períodos; ou seja, tem fases em que as pessoas me perguntam mais sobre algum assunto em particular, em outros períodos os leitores perguntam sobre as mesmas coisas... Parecem que combinam. (risos) Os assuntos vão diversificando como um ciclo.

E nos últimos meses eu tenho recebido e-mails de leitores que me perguntam mais sobre a timidez e de mulheres que falam sobre suas (des)conquistas afetivas.

E nosso post de hoje é para falar um pouquinho sobre  esse segundo tema.

Na verdade, pessoal, não sou eu exatamente quem vai falar. Trata-se da escritora Fernanda Mello, através de um vídeo do Youtube que fala sobre "Mulheres Independentes".

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Não me vejo como sou






Hoje em dia é muito comum lermos reportagens falando sobre pessoas que fizeram cirurgias plásticas até ficarem parecidas com alguém, ou simplesmente porque nunca estão satisfeitas com sua atual condição física. Temos como exemplos o caso da moça que fez cirurgias e tratamentos para ficar semelhante à boneca Barbie. Ou, como as notícias que temos lido recentemente de um rapaz que se submeteu a vários procedimentos cirúrgicos para ficar parecido com o boneco Ken (o namorado da Barbie). Esporadicamente assistimos na TV ou nos dispositivos virtuais, pessoas que fizeram tatuagens para modificar o rosto e assim ficarem parecidas não só com outras pessoas ou personagens, mas também com animais. Exemplos: tatuagem nos olhos que deixam um resultado semelhante a olhos de cachorros, pessoas que querem ficar iguais aos felinos, ou a personagens da televisão, etc...

A constante insatisfação física e a percepção permanente de um defeito físico que não é notável aos olhos dos outros, ou mesmo não existe, tem nome: DISMORFIA CORPORAL (ou dismorfofobia, ou síndrome da distorção da imagem).