quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Abandone o lugar de vítima



 Escrito por Mileni Barros
Psicóloga & Coach
Hipnose Terapêutica

A autovitimização é quando a pessoa se coloca no lugar de vítima diante das circunstâncias ou da interação com as demais pessoas ao seu redor. Acontece com indivíduos que não assumem sua parcela de responsabilidade quando se deparam com determinados acontecimentos em sua vida. Geralmente, as pessoas que ocupam o lugar de vítima não o fazem intencionalmente. Consequentemente, isso faz com que elas não identifiquem inicialmente o lugar em que se colocam.

Fazer-se de vítima é uma forma de se defender e encobrir dificuldades latentes que são projetadas nos outros.

A autovitimização é um mecanismo de autossabotagem não consciente e impede o equilíbrio emocional e o bem estar na vida do sujeito. Trata-se de um artifício adotado por pessoas que têm dificuldades em ouvir críticas, ainda que construtivas, e receber conselhos. 

A autovitimização está entre os comportamentos mais nocivos para a saúde emocional. Ela deteriora gradativamente o equilíbrio mental, podendo acarretar uma série de desdobramentos psíquicos que prejudicam áreas importantes da nossa vida.

É possível encontrar traços de autovitimização em pessoas com: depressão, ciúme patológico, dependência química, fobias, ansiedade generalizada, desânimo constante, entre outros.

Todos nós já conhecemos pelo menos uma pessoa que tenha apresentado traços característicos de autovitimização. Entretanto, é importante analisarmos se existe alguma área da nossa vida em que nos fazemos de "reféns" do vitimismo que construímos.

O lugar de vítima é uma cilada que embaça a visão da pessoa, impedindo-a de caminhar em sua plenitude e de realizar seus sonhos e projetos, comprometendo o equilíbrio essencial para viver satisfatoriamente. 

Quais são as características das pessoas que ocupam o lugar de vítima?


1º- Tendência a acusar: acusam as situações da vida, os familiares e outras pessoas próximas, assim como a própria vida, a genética, a "falta de sorte", o dia, a hora, o lugar em que determinados fatos ocorreram, o passado ou o presente. A maioria das coisas se torna alvo de acusação, tornando-se as únicas responsáveis por tudo que "desencadearam" na vida do sujeito.

2º- Tendência a se justificar: justificam o porquê agiram ou falaram de determinada forma; justificam suas intenções e atitudes, e não percebem que suas justificativas camuflam o poder de decisão que possuem para mudar a situação a qual vivem.

3º- Visão distorcida da realidade pessoal: acham que não têm como mudar sua história e que as coisas atingiram um resultado que não há o que fazer para melhorar. Também acreditam que não têm o que mudarem em si mesmas, pois pensam que são as circunstâncias que precisam ser mudadas.
Como se libertar do lugar de vítima?

- Faça uma autorreflexão consciente: tem alguma área da sua vida em que você costuma responsabilizar os outros pelas coisas que acontecem (ou aconteceram)? Você tem tendência a se justificar pra si mesmo? Tem dificuldades em aceitar críticas e conselhos das pessoas?

- Reconheça: depois de fazer a autoanálise sugerida acima, considere a possibilidade de estar colocando-se no lugar de vítima sem ter a intenção consciente.

- Aceitação: aceite a responsabilidade por suas escolhas, pois desenvolve a autonomia e a autenticidade do Ser.

- Resolução: resolva os pensamentos do passado deixando-o aonde ele deve estar, isto é, lá atrás. Dele nós trazemos apenas as experiências e as boas lembranças.


- Exercite a compaixão pelas pessoas: em linhas gerais, ninguém erra intencionalmente, ou seja, as pessoas cometem erros sem querer.  Todos estão buscando de alguma forma realizar seus sonhos e serem felizes. E as pessoas falham diante de suas tentativas de acertarem. Você pode lidar com isso. 

- Trace ações voltadas para a mudança e comprometa-se com elas: comece dando os primeiros passos em direção a autorresponsabilidade.

Abrir mão do lugar de vítima significa se apropriar do lugar de autor. A autoridade sobre nossa história de vida contribui para o desenvolvimento da autoestima, da autoconfiança e do equilíbrio emocional. A responsabilidade por quem nós somos gera em nosso ser ânimo e força para lutarmos pelos nossos ideais. Ela nos dá autonomia para caminhar com mais segurança e com a convicção de que temos capacidade de superação, ainda que existam falhas no percurso.

E então, qual é a sua responsabilidade diante das situações que você vive?



Mileni Barros 
Psicóloga

 




3 comentários:

  1. Excelente texto! Amei a praticidade das dicas e a explicação didática.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Edu. Muito obrigada por sua visita aqui no Divã.
      Volte mais vezes.
      Abraço.

      Excluir
  2. Excelente texto! Amei a praticidade das dicas e a explicação didática.

    ResponderExcluir